Home Todos Cinema O escafandro e a borboleta (Uma história escrita pelos olhos)

 

 

 

Escafandro é o nome que se dá para o antigo traje de mergulho, utilizado até a década de quarenta, e que chegava a pesar mais de cem quilos. A sua conexão com a delicada borboleta é a sensibilidade de quem sentiu o próprio corpo como um escafandro, somado ao desejo de dele se libertar, da mesma forma que uma borboleta se liberta de seu casulo.

O francês Jean-Dominique Bauby não é apenas o autor deste livro, mas antes, o seu real protagonista. Aos quarenta e três anos de idade, o então produtor da revista Elle, sofre um derrame, que transforma a sua vida de galã bem-sucedido e “bom vivant”, na vida de um homem sem qualquer movimento físico, além das piscadas de seu olho esquerdo. Acometido pela Síndrome do Encarceramento, logo após o AVC, o filme se inicia com a perspectiva do olhar de Jean-Dominique, quando enfrenta pela primeira vez sua nova realidade.

Num roteiro muito bem escrito, ainda que longo, o mesmo desenrola com perfeição a agonia vivida pelo protagonista, tanto da descoberta de sua maior tragédia, quanto de tudo o que se passa a partir dali.

Untitled Document "Está gostando do meu texto? Veja que interessante esse conteúdo que eu separei da Edduz, espero que goste!"

Pior do que um corpo são em uma mente doente é uma mente saudável em um corpo inválido. A ignorância da loucura, ainda pode ser capaz de proporcionar o esquecimento e as incertezas de uma mente confusa. Mas uma perfeita consciência em um corpo que não funciona é a prisão de tudo que se poderia ser.

Jean-Dominique tinha tudo: vida, energia, dinheiro, sucesso e o grande amor de sua vida, além da ex-mulher e três filhos. Intencionava naquele momento escrever um livro sobre a vingança feminina. No entanto, tudo o que possuía perdeu o sentido, uma vez que não podia mais ser usufruído por ele. Só o que lhe restava era o movimento do olho esquerdo e a presença das pessoas que se importavam com ele.

Através da ajuda de sua terapeuta, Bauby começa a se comunicar lentamente, como se soletrasse através dos olhos. Se assistir ao filme já transmite a agonia e desespero da falta de comunicação, seu diretor, Julian Schnabel, conseguiu, com maestria, instigar o telespectador à reflexões profundas sobre a prisão de um homem em seu próprio corpo.

O protagonista, a meu ver, ainda teve a sorte de ser muito bem atendido em um hospital naval à beira-mar francesa, por pessoas que realmente se importavam com ele. Mesmo com um tratamento de alta qualidade, é possível se sentir em sua pele, e logo em seguida, querer fugir dela.

Um homem inteligente, sensível e profundo, que reflete o tempo todo a sua própria condição. Olha em uma mosca ou em uma borboleta, motivos de contemplação e reflexão, mas sem a mínima possibilidade de expressar o que pensa e o que sente.

Em dado momento da narrativa, naturalmente Jean-Dominique revela o desejo de morte. Mas transforma sua auto piedade em energia de vida, materializando a ideia de descrever sua tortura e novas perspectivas em um livro.

Mais do que uma lição de vida, a eterna reflexão sobre o que se tem e o que se faz com o que se tem. Este filme me fez lembrar de uma pequena oração ensinada às crianças “lobinhos” no Escotismo: “Uns tem, mas não podem. Outros podem, mas não tem. Nós que temos e podemos, agradecemos ao Senhor! ”. Poucos são “os que tem” e “os que podem”. E raros, os que não tem, não podem e ainda assim se sobressaem através de uma extrema superação.

Somos uma sociedade de seres humanos, onde cada qual possui uma complexidade única. Não é possível transpor a vida e força de um ser em outro. E por este mesmo motivo, histórias como esta se tornam livros, filmes e inesquecíveis lições.

A tragédia é algo que todos evitamos. Fugimos da dor, tal qual o diabo foge da cruz. Mas é a dor que fortalece e nos permite acessar o melhor que se é, ainda que não se conheça.

É a partir do sofrimento que se torna o melhor que se pode ser.

 

Deixe um comentário

*

error: O conteúdo é protegido!