Home Todos Amor As implicâncias de hoje são as características de amanhã

 

A gente tem que tomar muito cuidado com aquilo que não gosta e implica com os outros no dia-a-dia. Pode demorar um pouco, mas a lei do retorno é infalível. Eu já perdi a conta, de quantas coisas não gostava nos outros, no passado, e depois vi que me tornei igual àquela pessoa que implicava. E isso se dá de várias formas.

Quando mais jovem, era baladeira, hiperativa sem controle, vida louca. Detestava as pessoas mais certinhas e caretas, que considerava sem vida e sem graça. Adivinha? Hoje eu me encaixo mais no grupinho dos sem graça: adoro ficar em casa, gosto de silêncio, durmo cedo e fujo das “muvucas”, que outrora adorava. Maturidade e autoconhecimento. Quando a gente realmente se conhece e se gosta, a gente também se basta!

Mais engraçado do que meus antigos pré-julgamentos sobre as pessoas sem graça, eram as minhas persistentes implicâncias com meu ex-marido, que era onze anos mais velho do que eu. As implicâncias eram tantas, que ele nunca nem soube. Mais do que a monotonia do casamento, que nos faz aceitar cada vez menos as manias do outro, creio que a diferença de idade e de cultura não me permitiam ver certos hábitos com a mesma lucidez que percebo hoje. Pior: agora eu vejo em mim mesma!

Untitled Document "Está gostando do meu texto? Veja que interessante esse conteúdo que eu separei da Edduz, espero que goste!"

Eu detestava quando meu ex-marido chegava em casa, tirava toda a roupa e se alegrava ao colocar um pijama velho e sem qualquer atrativo, para se deitar no sofá e ver alguma bobeira na TV. Hoje, sempre que posso, faço exatamente a mesma coisa, inclusive em relação ao pijama.

Meu ex ainda era alemão, extremamente organizado e sistemático, estava sempre pensando no que fazer para organizar a vida, desde utensílios de cozinha até uma viagem de fim de ano. Após anos de retorno ao Brasil e muita convivência com os alemães, eu finalmente percebi que me encaixava mais trabalhando com os alemães do que com os brasileiros. E isso também refletiu na minha vida pessoal. Hoje, eu planejo tudo, e já fui acusada de “TOC” pelo meu filho, devido à minha vontade de manter tudo sempre limpo e organizado. Hummm.

Já tive colegas de trabalho que divergiam de minha opinião ou características. Claro que algumas vezes esbravejei por dentro e me revoltei com alguns processos. Hoje, simplesmente sigo o ritmo de quem quer que seja e deixo fluir o trabalho como pode. Até mesmo as minhas características profissionais mudaram com o tempo. E pode ser, que no futuro, eu venha a ficar exatamente igual a alguém que hoje eu implico internamente (e não mais para ninguém).

Trabalhei, certa vez, com um superior que não era muito simpático aos olhos dos colegas e nem aos meus. Hoje, quando olho para trás, toda aquela antiga percepção se tornou admiração. Com o tempo, maturidade e consciência, tudo o que pensamos antes tem a chance de se tornar novo, bem como a própria personalidade que carregamos.

E o que falar de nossos pais e avós? Quantas vezes reclamos de suas características e manias? E quando nos vemos lá, na vida adulta, temos que dar, enfim, o braço a torcer, porque nos pegamos fazendo igualzinho, várias e várias coisas, que antes eram nada mais do que reclamações imaturas e sem percepção da verdade.

A vida é assim. Sorte de quem percebe a tempo e para de julgar o próximo. De um jeito ou de outro, tenho, às vezes, a sensação de que em algum momento na vida, somos um pouquinho de cada um. Quando não somos, vemos em quem amamos o que incomoda em outro. E assim por diante.

Espera-se: o tempo passa e evoluímos. Esta é a ideia! E objetivo!

No fim das contas, somos todos iguais.

 

 

Deixe um comentário

*

error: O conteúdo é protegido!