Home Todos Família Deixando a vida fluir…

_ “Eu aprendi a deixar as coisas fluírem, sem forçar, porque eu percebi que quando forçava as coisas, eu mais atrapalhava, do que as deixava fluir de verdade, naturalmente. Eu aprendi a não me apegar às coisas ou às situações, deixo as coisas irem acontecendo, sem a preocupação do que vai ser. E faço isso em todos os sentidos da minha vida, inclusive nos relacionamentos. E tudo melhorou”, disse meu filho, numa manhã de quarta-feira, a caminho de mais um dia em que dividíamos o mesmo trajeto: eu para o trabalho e ele para a sua universidade.

Não era algo novo o que ele dizia, mas havia tanta simplicidade em suas palavras e serenidade em sua voz, que me fizeram sentir a sua percepção. Como um aprendizado de algo já conhecido, sentido de maneira diferente. Assim como ele acabara de dizer, deixei suas palavras fluírem em todo o meu dia, até o dia seguinte.

Em meio a um turbilhão de novidades acontecendo em minha vida, das quais muitas ele ainda nem tinha conhecimento, suas palavras vieram como um bálsamo. O quanto estava difícil assistir a minha própria vida tomando um novo rumo…. Sabe aqueles momentos em que a gente sente tudo mudando, como quando um barco tem o leme girado levemente? O cenário continuava o mesmo, os lugares, mas a direção e energia passavam a ser outras e elas afetavam todo o mais.

Untitled Document "Está gostando do meu texto? Veja que interessante esse conteúdo que eu separei da Edduz, espero que goste!"

Logo eu, tão propensa às mudanças, depois de tantas… esta nova e desejada transformação me trazia inúmeras perguntas: “Para onde estou indo? ”, “Será que vai ser melhor? ”, “E se for pior? ”, “E as novas pessoas na minha vida? ”, “Será que as oportunidades valem a pena? ”.

Após profunda reflexão e um olhar atento para dentro de mim mesma, pude enxergas as profundas raízes do medo em mim. Apesar de toda maturidade, força adquirida e coragem, ele ainda estava ali. E pode ser que permaneça de tempos em tempos; percebi que faz parte de quem eu sou e creio que de todo ser humano. Mas dessa maneira, era a primeira vez que o encarava.

Coisas novas chegavam em minha vida, situações, pessoas e sonhos. Tudo desejado e perseguido durante anos. E na possibilidade de fazer acontecer: o medo! E de maneira diferente, simples e serena, como meu filho acabara de explicar, eu não estava deixando as coisas fluírem. Com medo, estava fugindo de algumas coisas e tentando forçar outras.

O medo que nos tira o equilíbrio, também nos rouba a paz, que é o fluir da vida, o sabor leve e calmo de pequenos momentos, mudanças leves que vem e vão. E sempre serão assim.

A vida é para ser simples, ela acontece e muda todos os dias, quer nos demos conta ou não. Ela ocorre devagar, trazendo situações e pessoas. E da mesma maneira, também tira, também leva e nos afasta de outras coisas. Se aceitamos o seu fluir sem forçar e sem negação, tudo vai acontecendo, de forma natural. Em alguns momentos, um desgosto aqui e outro ali, bem como algo bom agora e outro depois. O que mais nos machuca e nem percebemos é a nossa própria negação diante do que tem que vir e do que tem que ir.

A explicação do meu filho, em suas frases simples e serenas, era o resumo de um velho pensamento budista, que diz que que todas as coisas na vida e no mundo estão em constante mutação; por isso, não devemos nos apegar a elas, mas deixar que as mesmas passem por nós, o tempo que tiver de ser.

É como ser uma pedra num rio. A água passa como tem que passar, às vezes cheia, às vezes em escassez, acompanhada ou não, limpa, suja, fria ou morna.

Somos somente a pedra, coadjuvantes no constante fluir da vida.

 

Deixe um comentário

*

error: O conteúdo é protegido!